Nível de atividade física personalizada de acordo com genótipo em FTO para redução de peso corporal

Mudanças nos hábitos de vida, incluindo o alto consumo energético e a prática insuficiente de atividade física (AF), estão associadas com o aumento da prevalência de obesidade. A prevalência da obesidade aumentou cerca de 16,6% nos europeus adultos, sendo que 9,3% dos adultos de todo o mundo já são classificados como obesos. 

Contudo, evidências científicas mostram que fatores genéticos têm influência no desenvolvimento da obesidade, sugerindo uma multifatorial e, portanto, vários fatores podem incrementar o risco para o excesso de peso.



imagem

Recentes estudos identificaram polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) em genes associados com adiposidade corporal, com destaque para o Fat Mass and Obesity-Associated (FTO), que está fortemente associado com o risco para a obesidade. Um estudo com 38.759 indivíduos mostrou que indivíduos carreadores dos alelos de risco em homozigose apresentavam, em média, 3kg de peso a mais que os heterozigotos ou homozigotos para alelos selvagens. 
 

O presente estudo é um corte transversal de um estudo maior denominado Food4Me, realizado durante seis meses, em sete países europeus, com a participação de 1607 indivíduos acima de 18 anos.

Para tanto, 1280 indivíduos foram incluídos para a genotipagem do SNP em FTO (rs 9939609) e todos estavam em equilíbrio de Hardy-Weinberg (TT=469; TA= 739; AA=264). 


imagem
 


Os pesquisadores encontraram interação significativa entre a presença do SNP em FTO e atividade física com o peso corporal, o IMC e a circunferência de cintura.

Em relação aos indivíduos categorizados segundo o tempo de AF moderada, a diferença do peso corporal variou de 3,53 kg nos praticantes de menor nível de AF (<150min/semana), 1,42 Kg (praticantes com nível médio de 100-300 min/semana) e -0,28kg naqueles que realizam AF moderada acima de 300 minutos/semana.

Nos gráficos a seguir, destacamos alguns resultados do estudo que mostrou a interação significativa.

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

O estudo sugere que o estilo de vida mais ativo pode atenuar a susceptibilidade de excesso de peso atribuído ao genótipo em FTO, que é um gene muito estudado e diversos trabalhos já demonstraram sua influência no aumento de IMC e circunferência da cintura. Uma meta analise envolvendo 218.166 adultos encontrou interação significativa entre FTO - atividade física, sendo que a presença do alelo A (no SNP rs9939609) mostrou ser modulado nos indivíduos mais fisicamente ativos. Os resultados do presente estudo são relevantes e sugerem a promoção de atividade física na população, com a expectativa de aplicar a recomendação da Organização Mundial da Saúde do nível de atividade física de, pelo menos, 150 minutos semanais, no entanto, agora podemos vislumbrar essa recomendação de maneira personalizada.

 

Celis-Morales C, Marsaux CF, Livingstone KM, Navas-Carretero S, San-Cristobal R, O'donovan CB, Forster H, Woolhead C, Fallaize R, Macready AL, Kolossa S,Hallmann J, Tsirigoti L, Lambrinou CP, Moschonis G, Godlewska M, Surwillo A,Grimaldi K, Bouwman J, Manios Y, Traczyk I, Drevon CA, Parnell LD, Daniel H, Gibney ER, Brennan L, Walsh MC, Gibney M, Lovegrove JA, Martinez JA, Saris WH, Mathers JC; Food4Me Study. Physical activity attenuates the effect of the FTO genotype on obesity traits in European adults: The Food4Me study. Obesity (Silver Spring). 2016 Apr;24(4):962-9.