Suplementação do extrato de melancia e os efeitos em indivíduos carreadores do polimorfismo em MTHFR (C677T)

De acordo com o NCEP- ATP III (National Cholesterol Education Program - Adult Treatment Panel III), a dislipidemia é caracterizada pelo aumento das concentrações plasmáticas de colesterol total, triacilglicerois, lipoproteínas de baixa densidade (LDL-c) e redução das lipoproteínas de alta densidade (HDL-c), sendo considerados os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares (DCV). Alterações no perfil lipídico e presença de polimorfismos genéticos também acentuam o risco para DCV e nesse tocante, o polimorfismo na enzima metilenotetrahidrofolato redutase (MTHFR C677T) parece ter associação com alterações de marcados cardiometabólicos como descrito anteriormente.

A conduta terapêutica em pacientes cardiopatas não consegue responder de forma isolada o sucesso ou fracasso de determinados pacientes, mas o fato é que não farmacológicas como a nutrição podem colaborar para reduzir a chance de um evento clínico. Sabe-se, por exemplo, os efeitos positivos nos parâmetros bioquímicos em relação ao consumo de alimentos fontes de fibras e de compostos antioxidantes, com destaque para a melancia, que é fonte de compostos de licopeno, citrulina e arginina. O consumo desses nutrientes está associado com menor incidência de doenças coronárias.

E, para testar a hipótese de que a melancia poderia ter efeito protetor nesses pacientes, um estudo duplo-cego foi conduzido por Massa e colaboradores (2016). Inicialmente, foi avaliado o perfil lipídico de 92 funcionários de uma instituição pública com idades entre 20 e 60 anos, sem histórico clínico de doenças que poderiam influenciar o perfil lipídico, tais como diabetes, doença renal, doença no fígado, hipo ou hipertiroidismo, entre outras.   Após a avaliação, foram identificados 49 indivíduos com dislipidemia e estes foram orientados a não modificarem suas dietas e atividades físicas durante o estudo. Ao final do estudo 6 amostras foram perdidas, concluindo apenas 43 indivíduos que foram subdivididos em dois grupos, um suplementado com 6g extrato de melancia (22 indivíduos) e outro com placebo (21 indivíduos), pelo período de 42 dias.

Além dos efeitos da suplementação, foi avaliado o genótipo das pessoas que seriam suplementadas com o extrato de melancia, e como resultado para a MTHFR, 12 participantes eram homozigotos normais (CC), 5 homozigotos alterados (TT) e 5 heterozigotos (CT). Em relação aos indivíduos que fariam parte do grupo controle, 8 apresentavam alelos homozigotos normais, 7 apresentavam homozigose alterada e 6 heterozigotos.

O consumo do extrato de melancia resultou em uma redução significante das concentrações de colesterol total e de LDL-c no grupo que fez a suplementação, como mostra a figura 1.

imagem

Figura 1A: Efeito da suplementação do extrato de melancia nas concentrações de colesterol antes e depois do período de intervenção.
Figura 1B: efeito da suplementação do extrato de melancia nas concentrações de LDL-c.

 

A análise bioquímica das concentrações de LDL-c mostrou que há redução significante nos grupos que apresentavam os alelos CT e TT, enquanto o grupo CC não apresentou reduções significantes após o tratamento, concluindo que uma resposta melhor ao tratamento se dá pela presença do alelo T no polimorfismo MTHFR C677T (figura 2).

imagem

Figura 2: Influencia do genótipo MTHFR C677T nas concentrações de LDL-c.

Em conclusão, os pesquisadores mostraram que o consumo do extrato de melancia apresenta benefícios na redução das concentrações de colesterol total e de LDL-c, sendo que a presença do alelo T (indivíduos CT ou TT) favorece a redução de marcadores bioquímicos.

Referência:

Massa NM, Silva AS, de Oliveira CV, Costa MJ, Persuhn DC, Barbosa CV, Gonçalves MD. Supplementation with Watermelon Extract Reduces Total Cholesterol and LDL Cholesterol in Adults with Dyslipidemia under the Influence of the MTHFR C677T Polymorphism. J Am Coll Nutr. 2016 Mar 2:1-7.