Variações nos genes AGT e ECA/ ACE e o risco de Hipertensão Arterial Sistêmica em brasileiros caucasianos

A hipertensão arterial sistêmica representa um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Estima-se que a hipertensão atinja cerca de 20% da população adulta brasileira. Ela é definida como uma condição complexa e resultante da interação entre múltiplos fatores genéticos e ambientais. 

Dentre os mecanismos envolvidos na fisiopatologia da hipertensão destaca-se o sistema renina-angiotensina, o principal sistema de homeostase hidroeletrolítico e de controle da pressão sanguínea. A redução da pressão sanguínea faz com que o angiotensinogênio seja clivado pela renina produzindo a angiotensina I, que é então convertida em angiotensina II pela ação da enzima conversora de angiotensina. A angiotensina II é umpotente vasoconstrutor, responsável pelaregulação da pressão sanguínea. Variantes nos genes envolvidos nesse sistema, como por exemplo, nos genes da ECA e do AGT, podem contribuir para o aumento de risco de hipertensão. 

imagem

Figura 1. Mecanismo de regulação da pressão arterial

 

Um estudo brasileiro investigou a relação entre a presença da hipertensão arterial e polimorfismos nos genes da ECA (I/D, rs4646994) e do AGT (M235T, rs699) em 714 indivíduos. Os pesquisadores distribuíram os participantes de acordo com a etnia (caucasianos e africanos).Foi verificado diferença de genótipos nas duas etnias, sendo o aleloAGT 235Mmais frequente no grupo brasileiro-caucasiano. O estudo também mostrou que a hipertensão arterial sistêmicafoi associada com o genótipo AGT 235TT e o alelo 235T somente em brasileiros-caucasianos, conforme mostra a tabela 1.

imagem

O polimorfismo da ECA assim como o da CYP11B2, relacionada com a sensibilidade ao sódio, podem ser avaliados pelo teste de Nutrigenética do Centro de Genomas®. O conhecimento dos genótipos de predisposição à hipertensão é importante para incentivar a mudança dos hábitos, prevenindo doenças e melhorando a qualidade de vida.

Referência: Bonfim-Silva R., Guimarães L. O., Santos J. S., Pereira J. F., Barbosa A. A. L. and Rios D. L. S. Case–control association study of polymorphisms in the angiotensinogen and angiotensin-converting enzyme genes and coronary artery disease and systemic artery hypertension in African-Brazilians and Caucasian-Brazilians. Journal of Genetics. Vol95, No1. Mar 2016.