Polimorfismo em SLC30A8 pode predispor ao diabetes tipo 2, segundo meta-análise

O diabetes melitos tipo 2 (DMT2) é uma doença causada pela resistência à insulina ou pela redução da secreção da insulina. Sua etiologia é de ordem multifatorial, sendo influenciada tanto por fatores genéticos como por fatores ambientais. Diversas variantes genéticas foram associadas com a suscetibilidade ao diabetes tipo 2. Uma delas é o polimorfismo de nucleotídeo único ou SNP (CàT rs13266634) no gene do SLC30A8. Esse gene codifica a proteína ZnT-8, fundamental para a homeostase das células beta pancreáticas e responsável pela síntese e secreção de insulina. A troca do aminoácido triptofano pela arginina no códon 325 produz uma proteína com atividade reduzida para o transporte de zinco.

imagem

Uma meta-análise publicada em 2016 avaliou a contribuição dessa variante no desenvolvimento do diabetes tipo 2. O trabalho incluiu 46 estudos caso-controles em três diferentes etnias (europeia, asiática e africana).A tabela 1 mostra a análise de risco dos genótipos CT + TT versus CC em 26 estudos, sendo que valores de OR (odds ratio) > 1 indicam aumento de risco para diabetes tipo 2. Os pesquisadores verificaram que presença do alelo T estava associado com o aumento de risco para o desenvolvimento do diabetes tipo 2 nas três diferentes etnias (Tabela 1).

 

Tabela 1 – Associação entre o polimorfismo em SLC30A8 (rs13266634) e o risco para diabetes tipo 2 (CC vs CT + TT) 

imagem

 

Assim como o polimorfismo em SLC30A8, outros polimorfismos podem contribuir para o aumento de risco para o diabetes tipo 2. O teste de Nutrigenética® do Centro de Genomas®  avalia diferentes polimorfismos de risco para o diabetes. Conhecer as variantes genéticas pode ajudar a prevenir o desenvolvimento da doença, adequando a alimentação e outros hábitos de vida. 

 

Referência:
FAN, Mengdiet al. Association of SLC30A8 gene polymorphism with type 2 diabetes, evidence from 46 studies: a meta-analysisSpringer, New York, 01 fev. 2016.