Risco Genético ao Alzheimer
Tardio e Precoce

4P Genômica

Risco Genético de desenvolvimento de Doença de Alzheimer de início Tardio (DAIT)

A doença de Alzheimer (DA) é a doença neurodegenerativa que cursa com demência mais comum entre idosos em todo o mundo.

Os genes relacionados à doença de Alzheimer de início tardio começam a influenciar o surgimento da doença geralmente após 65 anos de vida, sendo que o gene mais frequentemente associado ao risco de DA é chamado apolipoproteína E (APOE). A APOE tem papel importante no transporte de colesterol e fosfolipídeos dos compartimentos gliais aos locais de regeneração da membrana neuronal e remielinização.

Também atua na regulação imunológica e na modulação do crescimento e diferenciação celular. A Variante genética de risco, E4, causa prejuízos para a membrana celular, causando oxidação na bainha de mielina, prejudicando a Sinapse Cerebral.

Outros genes também estão associados ao desenvolvimento da doença de Alzheimer, como o TREM 2, envolvido na regulação da resposta do cérebro à inflamação e o ABCA7, que têm papel no transporte dos lipídeos através da membrana celular.

Painel de Doença de Alzheimer de Início Precoce (DAIP)

A Doença de Alzheimer de início precoce (DAIP) representa 5% de todos os casos de doença de Alzheimer (DA) e está relacionada com mutações de padrão de Herança Autossômica Dominante.

No gene da proteína precursora do amiloide (APP), mutações causam 10 a 15% dos casos de DAIP. Essa proteína sofre uma clivagem após sua síntese e dá origem ao fragmento conhecido como β-amiloide, o qual tem a propriedade de agregação proteica na parte extracelular dos neurônios e seu acúmulo resulta na formação de fibras amiloides gerando placas senis.

As mutações no gene das presenilinas 1 e 2 causam 30% a 70% dos casos de DAIP.

A PSEN 1 está relacionada ao processo inflamatório observado na placa amiloide e pode interferir no processo de apoptose, e mutações no gene da PSEN2 podem acelerar o processo de neurodegeneração.

Outro gene relacionado à doença de Alzheimer de inicio precoce é o MAPT, que codifica a proteína tau, a qual tem como função a estabilização dos microtubulos e, mutações nesse gene, estão causalmente relacionadas à DAIP.

 

Referências:
1. Lautner R, Palmqvist S, Mattsson N, Andreasson U, Wallin A, Pålsson E, Jakobsson J, Herukka SK, Owenius R, Olsson B, Hampel H, Rujescu D, Ewers M, Landén M, Minthon L, Blennow K, Zetterberg H, Hansson O. Apolipoprotein E genotype and the diagnostic accuracy of cerebrospinal fluidbiomarkers for Alzheimer disease. JAMA Psychiatry. 2014 Oct;71(10):1183-91

2. CA, Choudhury KR, Murali Doraiswamy P, Petrella JR. Mapping the effect of the apolipoprotein E genotype on 4-year atrophy rates in an Alzheimer disease-related brain network. Radiology. 2014 Apr;271(1):211-9

3. Ridge PG1, Ebbert MT, Kauwe JS. Genetics of Alzheimer’s disease. Biomed Res Int. 2013;2013:254954

4. Joachim Mutter, Johannes Naumann, Catharina Sadaghiani, Rainer Schneider, Harald Walach. Alzheimer Disease: Mercury as pathogenetic factor and apolipoprotein E as a moderator. Neuroendocrinology Letters No.5 October Vol.25, 2004, 331-9

5. Booij BB, Lindahl T, Wetterberg P, et al. A gene expression pattern in blood for the early detection of Alzheimer’s disease. J Alzheimers Dis. 2011; 23(1):109–119

6. Hostage CA, Choudhury KR, Murali Doraiswamy P, Petrella JR. Mapping the effect of the apolipoprotein E genotype on 4-year atrophy rates in anAlzheimer disease-related brain network. Radiology. 2014 Apr;271(1):211-9

7. Hooli BV, Mohapatra G, Mattheisen M, Parrado AR, Roehr JT, Shen Y, Gusella JF, Moir R, Saunders AJ, Lange C, Tanzi RE, Bertram L. Role of common ande rare APP DNA sequence variants in Alzheimer disease. Neurology. 2012 Apr17;78(16):1250-7

Solicite aqui seu Exame!